Pages Menu
TwitterFacebook
Categories Menu

Posted by on jan 11, 2016 in Giro pelo Mundo, Telescópio | 1 comment

Borboleteando no México

Ciganos e ciganinhos, não te conto nada, mas te conto tudo sobre as borboletas Monarca!!! Amo borboletas e não vim ao México só para ver ruínas Maias não!! Vim também para assistir a um dos espetáculos mais intrigantes do mundo animal. Essas borboletas viajam mais de 4000km todos os anos para fugir do frio do Leste da América do Norte. Já pensou? Como e que um ser tão pequeno, que parece de papel, tem o instinto e a sabedoria de fazer essa viagem… E como se não bastasse a viagem de ida, que acontece nos meses de Setembro e Outubro, as danadinhas retornam de onde vieram no mês de Março, chegando para o verão em Julho. Este ano, coitadinhas, tiveram que mudar um pouco a rota por causa do Furacão Patrícia, já pensou, como se não bastasse todo o trabalho ainda chega uma Patricinha dessas para atrapalhar a viagem…

Mas nem só de Monarcas vive o México. Desde que chegamos os nossos dias são enfeitados por borboletas lindas e coloridas, na estrada elas viajam na frente da gente, parece que nos guiando, algumas mais bobinhas acabam estateladas no para-brisa do carro, morro de pena, fico abanando que nem doida para elas saírem do caminho, mas não adianta… Nós que viajamos bastante podemos comparar a “população borboletística” do planeta, o México está ganhando!!! O único outro país em que vi muitas borboletas foi Laos, mas mesmo assim não eram tantas como aqui.

Mas para chegar as borboletas Monarca temos muito chão pela frente! Entramos no Méexico pela Baja Califórnia, uma tripinha ao oeste do país. Escolhemos entrar pela Baja por ser um local com mais campings e mais turistas. Os americanos e canadenses, chamados de “pássaros da neve” passam de 4-6 meses nessa região, fugindo do frio, que nem as borboletas!! Foi um período de adaptação, um tempo para conhecer o coração mexicano, os hábitos do país, e perder um pouco do receio depois de tanta propaganda feita pela mídia dizendo que o México é um país perigoso. Muitos mexicanos me falaram a mesma coisa: se você for uma boa pessoa “no pasa nada”, mas se você está metido no mundo das drogas, por exemplo, claro que “pasa tudo”!!

O dia começando na Baja California Sur

O dia começando na Baja California Sur

A Baja California Sur é mais bonita que a Norte, principalmente a área da Bahia de Conception, onde passamos duas semanas borboleteando… Loreto foi a nossa cidade favorita, o nosso primeiro “pueblo magico”, Loreto do coreto na Praça da Letícia que fazia um sanduíche especial pra gente, Loreto que também é um parque nacional. Se você pegar um barquinho pode ver leões marinhos e golfinhos!!

Passamos meio reto pelas cidades famosas Cabo de San Lucas e San Pedro dos Cabos, as duas são conhecidas como Los Cabos, mas se você gosta de badalação e vida noturna este é o lugar para visitar. Preferimos passar alguns dias no Cabo Pulmo, outro parque nacional, onde vi uma manta raia bebe dando pulinhos na água.

Um dos muitos pássaros no Parque Nacional Cabo Pulmo

Um dos muitos pássaros no Parque Nacional Cabo Pulmo

La Paz, considerada a cidade mais violenta do México, nos proporcionou dias de muita paz, foi o nosso primeiro Malecon, e passamos horas sentindo o ventinho no rosto, sentadinhos em bancos brancos escutando o barulho do mar. A travessia para o continente feita de La Paz a Mazatlan, de barco, e Mazatlan foi outra surpresa gostosa, outro malecon muito bem cuidado, cheio de restaurantes, hotéis, uma catedral linda com arquitetura gótica.

Tava tudo muito fácil mesmo, ciganinho tem que sofrer um pouco, e o que é a vida se ela não for recheada de emoções? A nossa entrada em Zacatecas foi o início da grande aventura, chegamos de noite, o trânsito parecia de São Paulo e os morros tipo Belo Horizonte, estávamos procurando um lugar gratuito para estacionar, mas o nosso GPS, que tem personalidade própria, não quis nos levar lá de jeito nenhum. Depois de uma hora dando voltas para cima, só para cima, achamos um albergue com estacionamento na frente. Respiramos aliviados, e esquecemos de todo o sofrimento quando abrimos a janela do nosso quarto e nos deparamos com a Catedral iluminada.

São e Salvos em Zacatecas

São e Salvos em Zacatecas

Mas para próxima cidade, Guanajuato, também Patrimônio Histórico Mundial, nos preparamos melhor, chegamos de dia!!! Bom, de dia foi mais fácil para o guarda ver a nossa barberagem fazendo uma volta seriamente proibida no centro da cidade. O guardinha ficou louco e veio correndo atrás da gente fazendo sinal para gente parar. Paramos e levamos a maior bronca. Eu, com todo o meu espanhol, pedi mil desculpas, que de nada adiantaram por que ele continuava muito bravo e dizia que o nosso carro era muito grande, que a gente não podia estacionar na cidade. Entrei em pânico. Mas aí me lembrei de um detalhe que tinha acabado de ler no meu guia e soltei a pérola: “Mas o Papa João Paulo II esteve aqui em Guanajuato!! Se o Papa esteve aqui eu também tenho que visitar a sua cidade!!!” Não só ele nos guiou até o camping, como também parou no meio da cidade e começou a buzinar e apontar o lugar que o papa tinha dormido durante a sua visita. Ciganinhos, vai demorar uns anos para gente parar de rir dessa parábola!

O México me lembra muito Minas Gerais, não só pelo chapéu de roceiro que eles usam, mas também pela doçura do povo. São muitos musicais e animados, e finalmente conseguimos participar de algumas dessas festas! Em Dezembro tudo começou com Nossa Senhora da Conceição seguida pela grande festa e peregrinação da Nossa Senhora de Guadalupe, Rainha do México. Estávamos em uma cidade chamada San Miguel de Allende, conhecida como a Disneylândia Mexicana por ser uma cidade onde quase 30% da população é de imigrantes de mais de 70 nacionalidades. O meu raciocínio é simples, se tanta gente de fora escolheu San Miguel para morar é porque alguma coisa de especial existe lá, certo? Certo. Os restaurantes são magníficos, as tiendas muito refinadas, e tem muitos cursos acontecendo todo o tempo. O Natal foi outro espetáculo, com shows de flamenco e danças folclóricas no jardim principal e as famosas pousadas, que são peregrinações que passam por várias igrejas na cidade. Participei de tudo, mas a ideia de ver as borboletas não parava de borboletear no meu coração, então, um belo dia, partimos em direção sul e chegamos no Santuário das Mariposas Monarca.

Cidade colonial de San Miguel de Allende

Cidade colonial de San Miguel de Allende

Eu fui a primeira a entrar no Santuário, muito cedinho, e depois de mais de uma hora de subida, 800 degraus, e muita água, cheguei. Elas ficam todas agarradinhas em colônias para se manter aquecidas, é bem frio lá em cima, a mais de 3000 mt de altura. São milhares de borboletas penduradas nos galhos das árvores. De manhã quando a gente chega é tudo meio desanimado, mas de repente… o sol começa a bater nas bichinhas e elas começam a borboletear. E depois de umas duas horas, são milhares voando ao nosso redor. Ciganinhos, foi um dos espetáculos mais marcantes que eu já vi. Inesquecível, mesmo porque as minhas pernas ainda estão doendo por causa da subida.

Mariposas Monarca

Mariposas Monarca

Eu vejo uma religiosidade no México que nunca vi em lugar nenhum. Os sinos das igrejas badalam antes da missa, antes do casamento, antes do batizado, nas épocas de festas começa a badalação às 4 da manha e só acaba tarde da noite. E as pessoas tem orgulho de dizer que são católicas, que temem a Deus, é muito interessante.

RELIGIOSIDADE

Freiras em azul

Mas antes dos Espanhóis e do catolicismo chegarem existiram os Olmec, Mayan, Incan, and Aztec, civilizacoes misteriosas, pioneiras em Matemática, Medicina e Astronomia. Escolhi Teotihuacan, UNESCO Heritage Site, para abrir os trabalhos de visitações de pirâmides no México. Até passei por outras piramidezinhas mais modestas, mas resisti, quero ver a mãe de todas, a que tem fascinado, pela sua beleza e arquitetura, a tantos milhares de pessoas durantes séculos.

As pirâmides de Teotihuacan estão a cerca de 50km da Cidade do México (Mexico City) ou DF (Distrito Federal), como á conhecida por aqui. Já sabe né, ciganinho, quando vier ao México, não tem nada de Cidade do México, e DF… A pirâmide do Sol (a terceira maior do mundo) é a maior, mas os Deuses acharam que o mundo não podia ter só sol, então construíram a pirâmide da Lua que, apesar de menorzinha, é também um charme. Mais de 200.000 pessoas habitavam a cidade que foi um grande centro de artesanato e religiosidade na Mesoamérica. Ninguém sabe como a cidade acabou de existir, mas 500 anos após sua extinção os Aztecas ainda consideravam “A Cidade dos Deuses” a mais sagrada do mundo.

A parte mais divertida da minha visita às piramides foi o taxista que eu peguei na volta para o camping. Quando eu confessei a ele que não havia subido ao topo da pirâmide do sol, ele colocou o pé no freio e queria por toda força me levar de volta, disse que eu visitar Teotihuacan e não subir na pirâmide do sol era equivalente a pedir um beijo ao meu marido e colocar um papel na boca quando ele me desse o beijo. Eu dava gargalhadas, mau sabe ele que quando estive no Cairo peguei um táxi até as pirâmides , cheguei no portão, olhei, achei que tava muito calor, entrei no mesmo táxi e voltei para o hotel. Ah, mas tem ciganinha louca mesmo…

Louca e sortuda porque quando saí tive a maior sorte de ver os famosos Voladores de Papantla, originários do Estado de Vera Cruz, se exibindo aos quatro ventos!

voladores

Voladores de Paplanta

Ciganinhos, a nossa viagem continua e é um prazer tê-los viajando conosco!! Se você quiser ter notícias mais recentes da nossa grande aventura pelas Américas faz um Curtir na nossa página no Facebook –  HAPPY RICHTERS.

Beijinhos borboletísticos, Hasta la Vista Amigo e Feliz ano novo!

1 Comentário

  1. Você me inspira! !

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: