Pages Menu
TwitterFacebook
Categories Menu

Posted by on maio 26, 2014 in Viver | 3 comments

Dia comum. Dia qualquer.

renata cabrera

Quarta-feira.

Não tinha nada demais pra comer em casa, então saindo do banho me troquei e fui à padaria. Tomei um café + dois pães de queijo. Dia comum. Dia qualquer. Paguei os R$3,00 que devia e segui em direção ao ponto de ônibus. Desci na estação central e apanhei o próximo automóvel até o destino. 9:30. Subi na condução e acomodei a mochila entre os joelhos. Gosto de sentar na segunda poltrona virada de frente; ela fica logo atrás de uma primeira, mas dá de frente para aquela que fica de costas. Evito sentar naquela, mas adoro esta.

Era por volta das 9h35 quando na minha direção encostou uma moça de vestido florido e meia calça. No pé, não notei. Mas amarrado na bolsa uma fita alaranjada e estampado no rosto um sorriso vermelho. Boca larga, dentes amarelados e cabelo despenteado. Parecia ter levantado, tomado dois ou três goles de água num copo qualquer que estava na pia, posto a tal mochila nas costas e seguido para o ponto onde, assim como eu, também a levaria a um destino.

A moça devia ter os seus 20 e poucos anos. Não desgrudava do celular e o fone de ouvido parecia servir como uma plataforma rumo a um mundo distante. O cabelo fora do lugar dizia mais do que  ‘saí com pressa’. E o sorriso abobalhado entregava mais do que  ‘acordei bem. Bem e sozinha’. Sozinha uma ova! Com essa cara deve-de tá apaixonada. Mas cá entre nós, só eu quem penso que quando a gente coloca o fone nos ouvidos nossos pensamentos ficam transparentes?

Imaginei dia desses que a música acaba me levando de maneira que meus olhos, boca e nariz acabam respondendo por si só. Dependendo do dia, do estado de espírito e da música, fico igual a moça da mochila com fita alaranjada. Toda desajeitada, feliz e abobalhada. Dali dois minutos eu desceria… Por sorte consegui disfarçar o telefone celular e saquei uma fotografia pra ilustrar essa crônica sem nome. Dia comum. Dia qualquer. Menos pra essa moça… Com cara de mulher.

Renata Cabrera – jornalista

renata cabrera perfil

 

3 Comentários

  1. Rê! Que texto maravilhoso!!!
    Quer orgulho de você!
    Quando leio o que vc diz, parece que estou lendo tudo o que eu queria dizer!!!
    Sucesso amiga!

    Beijos :*

  2. Coisa mais linda, esse texto. Dias comuns são excelentes oportunidades de encontrar a beleza na vida. Basta estar com os olhos – e o coração – abertos.

  3. É Renata, também acredito que a música e os queridos fones de ouvido acabam nos teletransportando e deixando a gente com uma cara muitas vezes não esperada nem por nós mesmas.

    Dias quaisquer são assim: cheios de situações inusitadas. Basta ter olhos para olhar (de fato) e tato para registrar (amo).

    Bjs e ótima semana.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: